5 Plantas para áreas internas

Quando o assunto é plantas, sempre surge uma curiosidade, seja de como cuidar das plantas, quais escolher, se é para área interna ou externa, etc. Pensando nisso a Ecobra Paisagismo & Arquitetura preparou uma lista que vai ajudar pessoas que tem um hábito bastante comum em cidades grandes, ter uma planta em uma área interna.

Uma planta dentro de casa, contrasta com a aridez de nossa cidade, isso torna o ambiente mais aconchegante e energizante. Mas vamos ao que interessa, confira a lista:

5. Palmeira-ráfia (rhapis excelsa)

palmeira-rafia-2

Originária da China, de 2 a 4 metros de altura, com vários troncos finos, anelados, verdes parecidos com o bambu. As folhas lembram um leque, sulcadas e brilhantes na face superior. Ocorre a forma ‘Variegata’, rara, com masculinas e femininas. Possui pequenos frutos de cor branca.

É adequada para cultivo em regiões tropicais e subtropicais, em vasos destinados a interiores iluminados, varandas e sacadas. Também pode ser cultivada em grupos a pleno sol ou meia-sombra em jardins externos, com terra rica.

4. Pata de Elefante (Beaucarnea recurvata)

Ecobra Paisagismo & Arquitetura - Pata de Elefante
Ecobra Paisagismo & Arquitetura – Pata de Elefante

 

É um arbusto semilenhoso originário do México, de 3 a 5 metros de altura, com uma dilatação grande na base, lembrando uma pata de elefante. No ápice se forma uma cabeleira  densa de folhas coriáceas, brilhantes, pendentes, de 40 a 70 centímetros de comprimento. No outono, são formadas numerosas flores pequenas e esbranquiçadas.

Na fase juvenil é ótima para plantio em vasos ou para formação de pequenos grupos, a pleno sol. Na fase adulta e idosa, em parques e jardins, impressiona pelo aspecto exótico e muito imponente de seu conjunto arquitetônico e é tolerante a baixas temperaturas.

3. Bromélia / Gusmânia Cherry (Guzmania lingulata)

Ecobra Paisagismo & Arquitetura - Gusmânia Cherry
Ecobra Paisagismo & Arquitetura – Gusmânia Cherry

Planta epífita de 30 a 40 centímetros de altura, de florescimento decorativo, originária da América tropical, incluindo Brasil. Folhas laminares de margens denteadas, de 20 a 3o centímetros de comprimento. Possui uma flor cumprida que surge em meio a folhagem com uma cor vermelha envolvente lembrando uma cereja (cherry, em inglês). No verão formam-se flores brancas. Ocorrem diversas variedades naturais com folhas mais largas, com estrias vermelho-arroxeadas, etc.

É cultivada principalmente em vasos para interiores, mas também formando conjuntos em jardins a meia-sombra em canteiros desenhados, com solo rico em matérias orgânica e permeáveis.

2. Clúsia (Clusia fluminensis)

clusia
Ecobra Paisagismo & Arquitetura – Clúsia

Árvore pequena das restingas do litoral do Rio de Janeiro até a Bahia, de até 5 metros de altura, muito ramificada e de folhagem muito decorativa. Folhas opostas em formas de cruz, eh formato ondulado-espatulado, cor verde-luzidia, espessa de 7 a 16 centímetros de comprimento. Flores brancas, de sexos em plantas separadas, formadas na primavera-verão. O fruto é uma cápsula em forma de ovo que se abre na maturação, expondo inúmeras sementes pequenas com uma essência muito apreciada por pássaros.

Cultivada com frequências em vasos para terraços e interiores, mas também na forma de de arbusto isolado ou renque, podado com certa frequência para evitar o porte arbóreo, a pleno sol ou a meia sombra. É tolerante à salinidade, adaptando-se melhor em regiões litorâneas.

1. Planta Batom (Aeschynanthus pulcher)

planta-batom
Ecobra Paisagismo & Arquitetura – Planta Batom

Planta, reptante ou pendente, de vida longa com hastes finas e ramificadas apenas na base, originária de Java. Folhas opostas, ovalado-lanceoladas, sem pêlos, cerosas, dispostas ao longo de toda extensão das hastes, de 4 a 6 centímetros de comprimento. Diversas flores, protegidas por um cálice arroxeado cilíndrico, aglomeradas, com cinco recortes curtos, de coroa tubular vermelha, com dois lábios, formadas no verão.

É geralmente cultivada em vasos e jardineiras suspensas para enaltecer o efeito pendente de seus ramos, em ambientes internos ou externos de meia-sombra ou em outros locais protegidos livres do sol direto, com substrato orgânico e permeável e irrigado a intervalos. Também são usadas como forração.


Espero que tenha gostado das dicas de hoje e ajudado a decidir qual planta escolher para aquele espaço ficar ainda mais bonito. E claro, somos especialistas quando o assunto é paisagismo. Se quiser executar um jardim ou um vaso, ligue para nós.

Obrigado e até o próximo post.

Fonte: Plantas para Jardim no Brasil – Harri Lorenzi (Instituo Plantarum)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s